MADRIGAL

 

Eu vivia como todo mundo vive:

caminhava rápido, falava baixo;

tinha muito medo da violência,

da doença crônica, da grana curta

e, principalmente, do fim que viria.

 

Os meus sonhos tinham-se desbotado.

Não gostava eu nem da lua cheia,

nem do sol tocando na minha pele;

só o vinho tinto – ele sim! – às vezes,

dava-me um pouco de reconforto.

 

Ao ouvir alguém se dizer, com verve,

felizão nos braços da namorada,

eu ficava triste, porque achava,

sem acreditar em quaisquer amores,

que estivesse o moço exagerando.

 

Em resumo, a minha vida se parecia

com aquela de Thomas Crown (lembras do filme antigo?),

sendo meio tédio meio azáfama;

de repente, fez uma cambalhota,

isto é, mudou de forma definitiva.

 

Eu abri os olhos e vi-me num campo

que milhões de flores ornamentavam.

Juro-te, milhões de viçosas flores

cuja variedade me deixaria,

noutras circunstâncias, indiferente.

 

Era pitoresca a paisagem feita,

qual uma alcatifa, de fios policromos,

e havia nela uma luz intensa,

como se o sol e a lua juntos

em seus raios místicos a banhassem.

 

Mais ainda, claras as perspectivas

antes encobertas, tudo se transformara –

cheiro do café, silêncio da noite,

frio da invernia, murmúrio do vento,

cor do papel – num autêntico arco-íris!

 

Entretanto, não ocorrera essa mudança

por mera sorte nem por magia negra.

Foras tu que entraras em minha casa

e das janelas, que para o belo campo deitavam,

tiraras as encardidas cortinas.

 

Hoje reconheço que meu vinho tinto

não contém um pingo de alegria.

Que viver contente valha ouro, sustento;

mas viver contigo vale... Epa, moleque!

Vale não: quem ama, contar não sabe.